Caminhada e missa poliglota marcam Dia Mundial do Migrante e do Refugiado em SP

0
94
Ato pelo Dia Mundial do Migrante e do Refugiado em São Paulo terminou com missa na Igreja N.S. da Paz. Crédito: Rodrigo Borges Delfim/MigraMundo

Participantes pediram olhar mais humano sobre os migrantes e ações de combate à discriminações e xenofobia

Por Rodrigo Borges Delfim
Em São Paulo

Dezenas de entidades católicas ligadas ao atendimento e orientação de imigrantes em São Paulo e representantes de diferentes nacionalidades participaram de um ato neste domingo (29) no centro de São Paulo pelo Dia Mundial do Migrante e do Refugiado.

Cerca de cem pessoas saíram em caminhada da Praça da Sé, marco zero da capital paulista, até a Igreja Nossa Senhora da Paz, ponto de referência para migrantes na cidade, onde o ato terminou com uma missa – organizada pelas comunidades latinas que frequentam a paróquia.

Caminhada pelo centro de São Paulo durante ato pelo Dia Mundial do Migrante e do Refugiado.
Crédito: Rodrigo Borges Delfim/MigraMundo

Para este ano o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado – que chegou à sua 105ª edição – teve “Não se trata apenas de migrantes” como tema. Escolhido pelo Papa Francisco, o tema reflete preocupação por todos os habitantes das periferias existenciais, nas quais se encontram muitos dos migrantes (leia aqui a mensagem especial do Pontífice para a data).

Evocando o papa Francisco, o padre Antenor Dalla Vecchia lembrou que os migrantes são pessoas constituídas de dignidade e pediu sensibilidade da sociedade civil em relação à temática migratória.

“Que tenhamos sensibilidade em relação aos migrantes. Este é um dia especial, de encontro. E, conclamamos uma sociedade mais fraterna, mais humana. Não podemos aceitar mais a discriminação e o sentimento de ódio. Somos gente, temos coração e alma, que devem ser cuidados, as políticas não podem ser só para alguns. Quando nos congregamos, nos fortalecemos mais e mais”, disse o sacerdote durante a homilia da missa.

Dia Mundial do Migrante e RefugiadoMissa Celebrada com Dom Eduardo Viera Bispo auxiliar da Cidade de São Paulo.

Posted by Missão Paz on Sunday, September 29, 2019

“É o egoísmo, o fechamento do nosso coração que causam tanto sofrimento. E que os cristãos abram seus corações e deem esse testemunho, de que a discriminação, a injustiça levam à morte de tantos filhos e filhas de Deus”, completou o bispo auxiliar de São Paulo Dom Eduardo Vieira, que presidiu a celebração. 

A missa contou com leituras, orações e cânticos em espanhol, português, inglês e francês, contemplando os idiomas falados e compreendidos pelos fiéis presentes. 

Ao final, foi servido um almoço – como é costume entre as comunidades latinas no último domingo de cada mês na paróquia. Para setembro a tarefa coube à comunidade paraguaia.

Dia de honra e de coragem

Durante o evento, participantes enfatizaram a necessidade de um olhar mais humano e sensível sobre as migrações e os migrantes, independente da origem, motivo do deslocamento ou status legal no país. E também cobraram das autoridades ações que visem a garantia de direitos de migrantes no país – previstos tanto na Lei de Migração como na Constituição Federal.

“É um dia de honra e de coragem [Dia Mundial do Migrante e do Refugiado]. [O Brasil] É um lugar que ajudamos a construir, onde podemos reconstruir nossas vidas”, comenta a venezuelana Marifer Vargas, uma das participantes do ato.

O evento também buscou encorajar os participantes a lutarem por políticas públicas para as populações migrantes e sua aplicação na prática. Também foi feito repúdio contra manifestações recentes de xenofobia e violência contra migrantes, como a morte de dois músicos bolivianos que ensaiavam em uma praça na zona norte de São Paulo, em agosto passado.

“Quem silencia sobre a xenofobia também é cúmplice dessa situação”, emendou o haitiano Keder Lafortuné, que integra o Conselho Municipal de Imigrantes, em funcionamento em São Paulo desde outubro de 2017.

O haitiano Keder Lafortuné, um dos imigrantes que participou do ato.
Crédito: Rodrigo Borges Delfim/MigraMundo

Sobre a data

Celebrado pela Igreja Católica desde 1914, o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado a partir deste ano passa a ser lembrado sempre no último domingo de setembro – antes era em janeiro.

A mudança de data se deve aos pedidos de várias Conferências Episcopais, atendido pelo papa Francisco.

Durante seu pontificado, Francisco tem dado atenção especial à questão migratória. Em 2017, junto com a Cáritas Internacional, lançou a campanha “Compartilhe a Viagem”, que visa encorajar os católicos a se colocarem no lugar daqueles que se deslocam mundo afora.

Por meio da chamada “Cultura do encontro”, o papa tenta mudar a mentalidade em relação ao imigrante e ao refugiado – ainda muito marcada por atos de ódio e intolerância – nos países aonde costumam chegar em busca de proteção e de uma vida melhor.

Marcando as celebrações do Dia Mundial do Migrante e do Refugiado deste ano, o Pontífice inaugurou uma escultura no Vaticano para homenagear as pessoas que buscaram – e ainda buscam – melhores condições de vida por meio de travessias.

“Esta escultura, em bronze e argila, retrata um grupo de migrantes de várias culturas e diferentes períodos históricos. Eu desejei essa obra artística aqui na Praça São Pedro, para que recorde a todos o desafio evangélico da acolhida”, disse Francisco, evocando um trecho de um dos livros do Novo Testamento, a Carta de São Paulo aos Hebreus. “Não vos esqueçais da hospitalidade, pela qual alguns, sem o saberem, hospedaram anjos.” (Heb 13,2)

Além da data promovida pela Igreja Católica, há o Dia Mundial do Refugiado (20 de junho) e o Dia Internacional do Migrante (18 de dezembro), ambas instituídas pela ONU. No Brasil tem ainda o Dia Nacional do Migrante, lembrado todo 25 de junho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira seu comentário
Informe seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.