Casal de refugiados aluga prédio e cria orfanato para 80 órfãos sírios na Turquia

Um casal de refugiados sírios se mobilizou e abriu orfanato na cidade turca de Gaziantep. Mais de 800 mil órfãos sírios vivem no país

0
395
Crianças órfãs sírias atendidas por orfanato criado por refugiados na Turquia.
Crianças órfãs sírias atendidas por orfanato criado por refugiados na Turquia. Foto: Alethea Rodrigues/MigraMundo

Por Alethea Rodrigues
Em Gaziantep (Turquia)

Estimar quantos órfãos a Síria deixou desde o início da guerra em 2011 é uma tarefa extremamente difícil. Mas a fundação IHH (Humanitarian Relief Foundation), que trabalha diretamente na questão dos órfãos sírios, afirma que há pelo menos 800 mil crianças e jovens nessa situação.

Eles estão espalhados pela própria Síria e em países vizinhos, como a Turquia, que abriga a maior quantidade de refugiados no mundo – cerca de 3 milhões, segundo projeções do ACNUR (Alto Comissariado da ONU para Refugiados). São centenas de orfanatos espalhados pelo país, muitos deles improvisados e construídos pelos próprios sírios.

Duaa Hansha, nascida na cidade síria de Allepo, chegou na Turquia há cinco anos e juntamente com o marido abriu um orfanato em Gaziantep, que fica há 120 km de sua cidade natal.

A ideia

Duaa tem três filhos e se sensibilizou com a situação das crianças e decidiu, com a ajuda do marido que trabalha e vive no Kuwait, alugar um prédio inteiro na cidade e realizar o sonho de abrigar 80 órfãos. O orfanato foi inaugurado em 2017 e recebeu o nome de HAVAT, que significa “vida” em árabe.

Atualmente, todas as crianças que vivem no espaço são órfãs de pai, e as mães vivem junto delas nos apartamentos.

“Senti necessidade de fazer alguma coisa pelo meu povo, algo que não fossem apenas doações. Sentia muita tristeza ao ver a situação dessas crianças e das próprias mães que perderam todos os bens materiais e tiveram a família destruída por causa dessa guerra horrível. Resolvi dar abrigo e principalmente ajudá-los a terem uma boa educação”, conta a síria.

As despesas mensais são muitas e o prédio está praticamente lotado. Dez funcionários sírios e alguns voluntários ajudam na manutenção do orfanato. Porém, há uma série de regras que todos devem respeitar e é fundamental o ambiente seja mantido limpo e amistoso.

Duaa conta que não recebe auxílio financeiro do governo turco, mas que a maioria das mães recebe um auxílio mensal vindo da Red Crescent (Crescente Vermelho, braço da Cruz Vermelha que atua em países muçulmanos, como a Turquia), o que ajuda nas despesas pessoais das famílias. O orfanato oferece, além do abrigo, comida, roupas e materiais escolares.

Para abrigar as famílias, o casal faz somente uma exigência: todas as crianças devem estudar.

“Algumas mulheres sírias são bem conservadoras e não querem que as crianças estudem, por isso aqui há uma regra. Só entram famílias que permitam que os filhos estudem porque a educação é nossa prioridade e fundamental para o futuro desses pequenos”. 

Crianças órfãs sírias atendidas por orfanato criado por refugiados na Turquia
Crianças órfãs sírias atendidas por orfanato criado por refugiados na Turquia. Crédito: Alethea Rodrigues/MigraMundo

Biblioteca e atividades recreativas

Duaa montou uma biblioteca no local para incentivar ainda mais que as crianças se tornem pessoas cultas e interessadas em estudar.

Além disso, as crianças frequentam aulas de turco e inglês no local e fazem atividades recreativas dentro e fora do espaço, todas organizadas pelos próprios funcionários e voluntários.

Reuniões mensais são feitas para que o ambiente seja o mais confortável possível e para que todas as mães mantenham seus filhos nas atividades e principalmente nos cursos que são oferecidos gratuitamente.

A proprietária do orfanato contou também que uma equipe de psicólogos trata as crianças, muitas das quais passaram por eventos traumáticos, tais como presenciar a morte dos pais. Este tratamento é intensivo e, segundo ela, ele têm tido efeitos positivos na vida dos acolhidos.

Planejando abrir um segundo orfanato

Para o futuro, a síria planeja abrir um abrigo para receber os garotos acima de 14 anos. No islã, não é possível mesclar adolescentes de ambos os sexos, por isso, não podem mantê-los no orfanato quando atingem a puberdade.

“Quero alugar o espaço para os garotos porque não posso simplesmente abandoná-los de um dia para o outro. Também tenho o sonho de construir um centro recreativo para que um grande número de órfãos possam passar o tempo livre e fazerem diversos tipos de atividade, Não queremos dinheiro, queremos ajudar. Sentimos na pele o que é perder tudo que construímos a vida toda de um dia para o outro. Não é fácil”, concluiu Duaa.

A síria finalizou a entrevista dizendo que não tem intenção de voltar ao seu país de origem, nem se a guerra acabar.

“O governo da Síria não me representa. Não vou conseguir viver mais no meu próprio país porque não concordo com nada o que está acontecendo e não terei recordações boas. Nós sírios que vivemos na Turquia temos que aproveitar a oportunidade que os turcos nos deram. Eles nos acolheram de uma maneira maravilhosa, como poucos países fizeram por isso eu vou ficar aqui”.


*Gostaria de ser parte do esforço para manter o trabalho do MigraMundo? Veja nossa campanha de financiamento recorrente e junte-se a nós: https://bit.ly/2MoZrhB

*Gostaria de receber notícias do MigraMundo diretamente em seu WhatsApp? Basta acessar este link e entrar em nosso grupo de distribuição de conteúdo

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira seu comentário
Informe seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.