‘Eu não sou um vírus’: o apelo de uma chinesa que vive no Brasil

A chamada 'cordialidade' do brasileiro parece ter um limite ao estabelecer um lugar para o imigrante no Brasil. Caso envolvendo chineses é só um exemplo

0
377
Sisi conversa com seus pais, ao vivo. Sua família vive perto de Wuhan, epicentro da epidemia, e não sai de casa há duas semanas. (Foto: Reprodução/YouTube)

Por Otávio Ávila*

“Volte para a China tomar sopa de morcego!”. “Culpa de vocês, agora vão sofrer as consequências”. Foi depois dessas frases recebidas e somadas às inúmeras dúvidas que surgiram de seus seguidores brasileiros que a chinesa Sisi Liao, radicada em São Paulo, decidiu fazer uma série de vídeos para explicar sobre o Coronavírus e debater o preconceito contra a população do seu país.

Sisi administra o maior canal do Youtube sobre cultura chinesa no Brasil. Com 638 mil seguidores, o Pula Muralha se dedica ao ensino do idioma chinês mandarim e abre espaço para as diferenças e semelhanças entre os dois países. O elemento intercultural é corporificado nos seus protagonistas. Se Sisi é uma chinesa que vive no país há 9 anos, Lucas Brand é um brasileiro que reside aqui desde sempre, como ele gosta de iniciar os vídeos, e participa ativamente do canal vivenciando as experiências com sua companheira de vida.

Mas Sisi e Lucas tiveram que dar uma pausa na produção de seus vídeos para tratar do tema do momento. Até esta postagem, em 7 de fevereiro de 2020, o Pula Muralha levou para a rede 10 vídeos sobre o tema, que tratam especialmente em compartilhar informações sobre o vírus e desmistificar estereótipos que surgiram nessa epidemia contemporânea de compartilhamentos sem confirmação.

No vídeo, Sisi analisa e explica os falsos desmaios coletivos na China e a “tradição” chinesa em se alimentar de morcego. Ela mesma desconhecia a prática e ambos os vídeos mostram localidades, tempos e situações diferentes que afastam esses falsos fatos como causas ou efeitos do Coronavírus.

Ao outro o seu lugar

O resultado da produção massiva de teorias conspiratórias e excentricidades ajuda a realocar o estrangeiro no eterno lugar de estranho e incivilizado. Sobretudo quando tratamos de não-europeus. Acompanho o Pula Muralha e outros canais do YouTube de imigrantes que vivem no Brasil como objeto de análise da minha pesquisa de doutorado e notei um efeito parecido ao comparar o comportamento da então imigrante Dorothea.

Já retornada aos Estados Unidos, quando vivia no Rio de Janeiro, Dorothea resolveu falar em um de seus vídeos sobre Jair Bolsonaro em seu canal e logo lançou outro vídeo falando do porquê havia fechado os comentários no anterior. Dorothea explicou que recebeu muitas críticas e no vídeo de resposta ainda encontrei comentários de que estrangeiros não deveriam opinar sobre a política brasileira e, se ele não estivesse satisfeita, que voltasse para onde veio.

Não foi este o motivo que a fez retornar ao país de origem, mas os dois exemplos nos mostram que a nossa “cordialidade” parece ter um limite ao estabelecer um lugar para o estrangeiro. Não mexam na nossa vida, não a critique e não a coloque em risco, mesmo que um chinês residente no Brasil esteja tão imune ao vírus quanto qualquer outro nacional. O receio ao “Outro” é teorizado por autores das migrações e da cultura.

Não é novidade que na história do século XIX e XX o rechaço a quem é diferente em seus hábitos e vestimentas conduzam o estrangeiro a uma posição de sub-cidadania e uma constante cobrança de contribuição ao país que o recebe. Mas as análises vão mais longe ainda e lembram da formação dos guetos judaicos pela Europa já no século XV como forma de separá-los das comunidades locais. Sobre o caso dos chineses no Brasil, as teorias também têm algo a dizer.

Já lembrei do fato em um artigo sobre racismo na imigração. Jornais brasileiros do século XIX trataram os chineses como “homens-animais”, praticantes do abandono,  trucidamento dos filhos e futuros degenerados da população brasileira.

Em um interessante artigo, a professora Rosana Pinheiro-Machado lembra que o desconhecimento sobre o estrangeiro mantém estereótipos de “impureza simbólica e concreta”, sobretudo no caso chinês, quando sua imagem se associa a doenças e maus hábitos alimentares. A nossa imprensa do passado não nega.

Eu não sou um vírus

Com base nisso, Sisi se levantou para dizer que sua existência, seus traços faciais e seu sotaque representam muito mais do que um vírus. A costumeira forma alegre com a qual se apresenta nos videos foi substituída por um ar preocupado com o que acontecia. No entanto, era preciso não só explicar, mas reagir ao preconceito racista lançando a campanha virtual #EuNãoSouUmVírus.

Evidentemente, as redes sociais já reverberaram a iniciativa, já iniciada no exterior com a hashtag em inglês. Ainda preocupada com a situação, Sisi encerra o vídeo da campanha afirmando: “Todos somos humanos, então o que vale nesse momento é uma mensagem de amor”.

*Otávio Ávila é pesquisador de Comunicação e Cultura na UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro)


*Venha ser parte do esforço para manter o trabalho do MigraMundo! Conheça nossa campanha de financiamento recorrente e junte-se a nós: https://bit.ly/2MoZrhB

*Que tal receber notícias do MigraMundo diretamente em seu WhatsApp? Basta acessar este link e entrar em nosso grupo de distribuição de conteúdo

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira seu comentário
Informe seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.